Envelope laranja e branco Impressora laranja e branca Mapa do Site Tamanho da Fonte Ícone de + para aumentar a fonte Ícone de A para retornar à fonte padrão Ícone de + para diminuir a fonte Contraste Ícone habilitar contraste Ícone desabilitar contraste
Logo do Facebook Logo do Flickr Logo do Youtube
Logo do Conselho Regional de Psicologia

Dia Nacional de Luta pela Educação Inclusiva: acolhimento à pluralidade humana deve nortear atuação das/os profissionais da Psicologia

Postado no dia 13 de abril de 2017, às 09:29

Em 2004, o Sistema Conselhos de Psicologia elegeu 14 de abril como Dia Nacional de Luta pela Educação Inclusiva. O Conselho Regional de Psicologia do Espírito Santo (CRP-16) aproveita a oportunidade dessa data para avivar a todas e todos, especialmente às/aos profissionais de Psicologia, a importância desse tema tão desafiador e, ao mesmo tempo, tão caro à formação humana. A bandeira é, sobretudo, a de uma escola que se faça para toda/o e qualquer aluna/o, que acolha a diversidade e a pluralidade que nos constitui; uma escola que garanta o acesso, a permanência e uma formação integral a todas e todos as/os estudantes.

Dentre os inúmeros impasses para efetivar os princípios de uma escola inclusiva, destaca-se a própria configuração hegemônica de nossas escolas modernas, seriadas, normalizantes e uniformizantes, nas quais, tudo o que escapa aos parâmetros previamente definidos de aprendizagem encorpa o constructo do fracasso escolar. Criou-se, historicamente, procedimentos para triagem de alunos que desviam de tais parâmetros, no sentido de destinar-lhes um encaminhamento diferenciado, em escolas ou salas especiais. Nessa lógica, o trabalho das/os psicólogas/os no campo educacional se constituiu, basicamente, até por volta dos anos 1990, por meio de práticas diagnósticas que balizavam tal separação.

Atualmente, as políticas de educação especial vêm tentar criar alternativas e procedimentos específicos para que todas/os possam estudar em escolas comuns, sem a separação espacial, que ao longo de tantos anos, culminou com duros processos de exclusão. Conquistas importantes já foram alcançadas nesse sentido, mas estamos longe de vislumbrar uma política educacional instituída que não opere pela exceção e que tenha a diversidade como a base de seu funcionamento. Tal cenário, não impede, contudo, as resistências cotidianas de um outro fazer no espaço escolar: organizações curriculares experimentais em algumas escolas ousadas, práticas cotidianas inclusivas de profissionais da educação pulverizadas em ambientes muitas vezes endurecidos.

Nesse cenário, convocamos a todas/os as/os psicólogas/os que, de algum modo, atuam com processos formativos, a serem agentes dessas microrrevoluções, atuando sempre norteadas/os pelo acolhimento à pluralidade humana.

V Plenário do Conselho Regional de Psicologia da 16ª Região-ES

CompartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someonePrint this page

Os comentários não refletem a opinião do CRP-16 sobre o assunto e são de inteira responsabilidade de seu autor, que poderá responder à Justiça caso cometa injúria, calúnia, difamação ou agressão a outrem e a esta autarquia, conforme os Termos e Condições de Uso do site.