Envelope laranja e branco Impressora laranja e branca Mapa do Site Tamanho da Fonte Ícone de + para aumentar a fonte Ícone de A para retornar à fonte padrão Ícone de + para diminuir a fonte Contraste Ícone habilitar contraste Ícone desabilitar contraste
Logo do Facebook Logo do Flickr Logo do Instagram
Logo do Conselho Regional de Psicologia

Concurso da PM e dos Bombeiros: CRP-16 protocola Notícia de Fato no MPES apontando indícios de irregularidades na aplicação da avaliação psicológica

Postado no dia 20 de dezembro de 2018, às 16:04

O Conselho Regional de Psicologia do Espírito Santo (CRP-ES) protocolou Notícia de Fato na terça-feira, 18, junto ao Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES) na qual aponta indícios de irregularidades na aplicação, correção e devolutiva dos testes psicossomáticos dos candidatos eliminados no concurso público da PM/ES na etapa de análise psicológica.

Dentre os indícios de irregularidades foram verificados que alguns testes possuíam um percentual satisfatório na avaliação psicológica, mas no parecer conclusivo o candidato foi considerado inapto pelo quesito no qual obteve bom resultado. Há, ainda, ausência de correção por completo em alguns testes e até mesmo distinção de gênero na aplicação destes testes, sem previsão de tal no Edital.

Além disso, os princípios da Psicometria foram desconsiderados no estabelecimento dos parâmetros para a avaliação do perfil profissiográfico e houve o descumprimento de resoluções pertinentes ao exercício profissional da Psicologia. Neste sentido, o CRP-ES, no exercício da fiscalização profissional da Psicologia, encaminhou a Notícia de Fato para que o MPES verifique, enquanto fiscal da lei, se existem violações de Direito no concurso público.

Vale ressaltar que o CRP-ES continuará promovendo ações para zelar pela qualidade ética e técnica da área da avaliação psicológica considerando a sua importância para a sociedade.

MPES e banca examinadora
A avaliação psicossomática foi aplicada pela banca organizadora do Concurso da PM e dos Bombeiros, do Instituto AOCP. O CRP-16 havia solicitado à banca um prazo maior para a interposição de recursos referentes à avaliação.

Em matéria divulgada pelo Jornal A Tribuna, nesta quinta-feira, 20, a banca informou que o pedido do Conselho não poderia ser atendido. Além disso, o Instituto negou as possíveis irregularidades.

Já o MPES afirmou, na mesma matéria, que a Promotoria de Justiça Cível de Vitória recebeu a denúncia, que foi protocolizada e será analisada pelo órgão.

Leia: Concurso da PM e dos Bombeiros: CRP-16 solicita prazo maior para recursos referentes à avaliação psicológica

Os comentários não refletem a opinião do CRP-16 sobre o assunto e são de inteira responsabilidade de seu autor, que poderá responder à Justiça caso cometa injúria, calúnia, difamação ou agressão a outrem e a esta autarquia, conforme os Termos e Condições de Uso do site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *