Envelope laranja e branco Impressora laranja e branca Mapa do Site Tamanho da Fonte Ícone de + para aumentar a fonte Ícone de A para retornar à fonte padrão Ícone de + para diminuir a fonte Contraste Ícone habilitar contraste Ícone desabilitar contraste
Logo do Facebook Logo do Flickr Logo do Instagram
Logo do Conselho Regional de Psicologia

Comissões de Direitos Humanos do Sistema Conselhos discutem articulação nacional com olhar para as especificidades locais

Postado no dia 11 de dezembro de 2019, às 11:37

Psicóloga Júlia Pires, da CDH/ES, representa o CRP-16 no encontro, em Brasília 

Representantes estaduais das Comissões dos Direitos Humanos (CDH) do Sistema Conselhos de Psicologia e membros da CDH do Conselho Federal de Psicologia (CFP) se reuniram, nos dias 6 e 7 de dezembro, no CFP, em Brasília, para realizar balanço das ações da última gestão e dar também as boas-vindas às(aos) nova(os) integrantes das CDH dos CRPs para o próximo triênio 2020/2022. A conselheira do CRP-16 Julia Pires, integrante da CDH/ES representou o CRP-16 no evento.

“O encontro proporciona que os representantes possam apresentar demandas das regiões e emergentes, colaborando assim para a articulação de estratégias de intervenção com outras regiões que trabalham a temática apresentada. Através dessas reuniões construímos planos de enfrentamento das violações de direitos humanos de forma nacional, considerando as demandas e especificidades de cada conselho regional, entendendo os direitos humanos como pressupostos da profissão”, assinalou

Segundo Júlia, no encontro foi feita a contextualização histórica sobre a importância da Psicologia na defesa dos direitos humanos. “O que é importante, porque isso traz para as/os novas/os integrantes da comissão um breve histórico dos caminhos da Psicologia, como em determinado momento com profissionais aliados ao golpe, os caminhos elitistas que a profissão já percorreu e como foi necessário pensar a clínica para além do espaço clínico”, salientou.

De acordo com a conselheira, a Resolução do CFP 01/1999 é considerada um marco do trabalho da Comissão de Direitos Humanos ao trazer o posicionamento sobre adoção por casais homossexuais e o casamento entre pessoas do mesmo gênero. O encontro ainda apresentou “um breve histórico das inspeções realizadas ao longo do percurso da pauta em unidades psiquiátricas brasileiras, internação de adolescentes em conflito com a lei, longa permanência de idosos e internação de longa permanência de usuários de drogas”.

Articulação em rede
Durante o encontro, o grupo fez um resgate das ações realizadas durante a última gestão, como também dos últimos 20 anos de existência da CDH, a qual atuou demarcando o trabalho com ações nacionais, articulado em rede, com metodologia integrada para desenvolver grandes ações em âmbito nacional.

Na sexta-feira (6), membros das Comissões se reuniram, em Brasília, com cartazes em protesto contra o racismo, em frente à sede da Fundação Zumbi do Palmares. No mesmo dia também foi apresentado um relatório síntese das ações da Comissão de Direitos Humanos do Conselho Federal de Psicologia (CFP) na gestão 2017-2019. O documento mostrou as principais intervenções da CDH, “tecidas com atenção e coragem em tempos difíceis”. Entre as ações realizadas estão as campanhas (como a campanha “Discurso de Ódio Não”), reuniões, instalações, pesquisas, lançamentos de livros (“Tentativas de Aniquilamento de Subjetividades LGBTIs”), inspeções e outras atividades.

As Comissões de Direitos Humanos do Conselho Federal de Psicologia (CFP) e dos Conselhos Regionais de Psicologia (CRPs) foram criadas para incentivar a reflexão sobre os direitos humanos inerentes à formação, à prática profissional e à pesquisa em Psicologia. Hoje, todos os regionais possuem CDHs e cada uma delas tem uma pauta de luta, de atendimento à categoria e à comunidade, em defesa das minorias.

*Com informações do CFP.

Os comentários não refletem a opinião do CRP-16 sobre o assunto e são de inteira responsabilidade de seu autor, que poderá responder à Justiça caso cometa injúria, calúnia, difamação ou agressão a outrem e a esta autarquia, conforme os Termos e Condições de Uso do site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *