Envelope laranja e branco Impressora laranja e branca Mapa do Site Tamanho da Fonte Ícone de + para aumentar a fonte Ícone de A para retornar à fonte padrão Ícone de + para diminuir a fonte Contraste Ícone habilitar contraste Ícone desabilitar contraste
Logo do Facebook Logo do Flickr Logo do Instagram
Logo do Conselho Regional de Psicologia

Reafirmando seu compromisso com a Formação Psi, CRP-16 orienta IES sobre clínicas-escolas 

Postado no dia 18 de novembro de 2020, às 15:56

Conselho destaca importância da cartilha sobre práticas e estágios remotos em reunião virtual realizada com nove representantes das Instituições de Ensino Superior


O CRP-16 realizou nesta quinta-feira, 12 de novembro de 2020, mais uma reunião virtual com representantes das instituições de ensino superior (IES) em Psicologia no Estado. As clínicas-escolas e a cartilha sobre práticas e estágios remotos foram os principais temas discutidos em mais essa ação de aproximação do Conselho com psicóloga/os representantes das IES.

A reunião foi conduzida pelas Comissões de Educação (CE) e de Fiscalização e Orientação (COF) do CRP-16 e contou com representações de nove IES da Grande Vitória e do interior do Estado.

A presidenta do CRP-16, Carolina Roseiro, que integra a CE, salientou que a aproximação do Conselho com as IES é uma demanda que vem do Corep (Congresso Regional da Psicologia, em abril de 2019), destacando a participação do CRP-16 no Seminário Nacional da Formação em Psicologia, realizado neste ano, para propor ações direcionadas ao estágio e às práticas diante da pandemia de covid-19.

“Tivemos como produto (do Seminário de Formação) um papel de orientação para as clínicas-escolas. Encaminhamos convite em especial para as instituições que já têm o serviço”, salientou.

Veja mais! Clique aqui e veja como foi o seminário regional do CRP-16 

Neste link, veja como foi o Seminário Nacional, do CFP.

Clínicas-escolas
Em sua fala a psicóloga-técnica da COF Fabrícia da Silva Lima Trazzi lembrou como os Conselhos de Psicologia (CFP e Regionais junto de entidades da Psicologia como a Associação Brasileira de Ensino em Psicologia e o Fórum de Entidades da Psicologia Brasileira) podem contribuir com a questão da formação. Ela destacou que a atuação dos Conselhos é voltada para regulamentação do exercício profissional, e não pela regulamentação do ensino superior em Psicologia.

Por serem espaços em que atividades da prática profissional acabam sendo desenvolvidas, as clínicas-escolas precisam ter elo com os conselhos de regulamentação da profissão.

Neste sentido, a coordenadora-técnica do CRP-16, Maria Teresa Ruas Nogueira Pizetto, apresentou um passo a passo do cadastro que a instituição precisa fazer no Conselho e do trabalho técnico do CRP para que a clínica possa ser aberta comece a funcionar.

“A gente faz uma visita (antes da pandemia, acontecia presencialmente) para abrir as clínicas-escolas. São momentos que a gente faz uma série de orientações. Quando a clínica escola é inscrita, a equipe técnica vai ter acesso as informações  e vamos prestar uma série de orientações: sobre local para o atendimento, como fazer a guarda dos materiais, a utilização dos testes, o registro de prontuário”, pontuou a coordenadora.

A técnica Fabrícia complementou falando sobre a carta da clínica-escola.

“A carta da clínica-escola, elaborada pelo CFP, CRP-06 (SP), e Abep traz informações de como podem funcionar os serviços, as práticas de estágio, quais são os estágios obrigatórios. Ela traz uma material fundamental para orientação desses profissionais. Os serviços de clínicas-escolas são pessoas jurídicas, que precisam estar registradas no Conselho de Psicologia (Resolução CFP 13/2007). A IES deve manter um responsável técnico junto ao Conselho que precisa ter o registro ativo no CRP; e também os professores orientadores precisam estar registrados. Agora com estágio remoto, além do registro no Conselho, a/o profissional precisa estar registrada/o na plataforma ePsi”, detalhou.

Cartilha
Ao zelar por esses princípios de fiscalização, orientação e da regulamentação  profissional, os Conselhos podem trabalhar orientações para a formação Psi que terá impactos no fazer profissional da psicóloga e do psicólogo. Por isso, a cartilha elaborada pelo Sistema Conselhos, Abep com apoio do Fenpb é um material consultivo/orientativo de grande importância para as IES.

“Ela não é um documento que abarca a complexidade da questão. Não é temática simples. É complexa. As particularidades, os aspectos que estão na cartilha  são para tentar antever possíveis problemas gerados pela prática do estágio remoto. A cartilha busca abarcar isso para auxiliar as IES a elaborarem um projeto para colocar isso para funcionar de forma legal, regular sem desrespeitar legislações e que venha contemplar para auxiliar o projeto de curso para as IES”, assinalou.

Clique aqui para baixar a cartilha.

Agradecimento ao CRP-16
A aproximação do CRP-16 com as IES e a com a Formação Psi foi destacada por um  dos coordenadores de curso presentes à reunião.

Alexandre Aranzedo, da Unisales, apontou que é importante o Conselho se aproximar para já apresentar as questões de orientação e fiscalização para estudantes, tecendo o agradecimento na sequência.

“É fundamental para a gente amarrar, aproximar com aluno que logo será nosso colega. Gostaria de agradecer ao CRP por sempre estar próximo mesmo da formação”, disse.

Próximo encontro. No dia 18 de novembro, o CRP-16 realiza mais uma reunião dialogando com a questão da Formação Psi. A reunião será com o GT Estudantil.

Os comentários não refletem a opinião do CRP-16 sobre o assunto e são de inteira responsabilidade de seu autor, que poderá responder à Justiça caso cometa injúria, calúnia, difamação ou agressão a outrem e a esta autarquia, conforme os Termos e Condições de Uso do site.