Envelope laranja e branco Impressora laranja e branca Mapa do Site Tamanho da Fonte Ícone de + para aumentar a fonte Ícone de A para retornar à fonte padrão Ícone de + para diminuir a fonte Contraste Ícone habilitar contraste Ícone desabilitar contraste
Logo do Facebook Logo do Flickr Logo do Instagram
Logo do Conselho Regional de Psicologia

Nota do FENPB em defesa da especialidade de Psicologia do trânsito na perícia psicológica para CNH

Postado no dia 17 de outubro de 2019, às 16:07

Os avanços da Ciência Psicológica têm exigido da(o) profissional psicóloga(o) o desenvolvimento de estudos e pesquisas para atender demandas específicas das diversas áreas de atuação profissional. Este conhecimento minucioso, dotado de especificidades e qualificado, contribui para o exercício profissional especializado em atenção a demandas reais da sociedade.

Esta(e) profissional que adquire o conhecimento específico para atuação em uma determinada área da Psicologia e atende às exigências da Resolução CFP nº 013/2007 é reconhecida(o) com o título profissional de Especialista em Psicologia, na área em que se qualificou, concedido pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP).

O Fórum de Entidades Nacionais da Psicologia Brasileira (FENPB), que é constituído de 26 instituições da Psicologia em todo Brasil, entende a necessidade da Titulação de Especialista em Psicologia do Trânsito para atuação profissional na perícia psicológica para fins da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), e reconhece sua importância, bem como a exigência já estabelecida pelo Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN). Entende também que tal necessidade e exigência contemplam o nível de complexidade, multiplicidade e riscos envolvidos no contexto do trânsito que requer o envolvimento e a atuação de profissionais qualificadas(os) em especificidades de suas respectivas áreas, como já se reconhece neste campo, a Psicologia do trânsito, a Medicina de tráfego, a Engenharia de trânsito/tráfego e transporte, entre outros.

Face ao exposto, o FENPB, reunido em 10 de outubro de 2019, manifesta seu total apoio a necessidade da exigência da Especialidade em Psicologia do Trânsito para atuação profissional na Perícia Psicológica para fins da Carteira Nacional de Habilitação, por reconhecer o caráter específico que envolve essa atuação e os riscos implícitos no contexto do trânsito, conforme já notificado, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Organização das Nações Unidas (ONU), como um grave problema de saúde pública no Brasil em função dos altos índices de morbimortalidade.

Afirmamos nosso total apoio à manutenção da Especialidade em Psicologia do Trânsito neste contexto.

Colocamo-nos na luta junto à categoria das(os) psicólogas(os) em defesa da vida no trânsito.

Assinam esta nota:

ABRAPEE – Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional

ABRAP – Associação Brasileira de Psicoterapia

ABPD – Associação Brasileira de Psicologia do Desenvolvimento

ABPJ – Associação Brasileira de Psicologia Jurídica

ABPP – Associação Brasileira de Psicologia Política

ABRAPESP – Associação Brasileira de Psicologia do Esporte

SBPH – Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar

FENAPSI – Federação Nacional dos Psicólogos

ABP+ – Associação Brasileira de Psicologia Positiva

FLAAB – Federação Latino Americana de Análise Bioenergética

ABOP – Associação Brasileira de Orientação Profissional

ABECIPSI – Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia

IBAP – Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica

ABRAPSIT – Associação Brasileira de Psicologia do Tráfego

CONEP – Coordenação Nacional dos Estudantes de Psicologia

CFP- Conselho Federal de Psicologia

ABRAPEE – Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional

ABEP – Associação Brasileira de Ensino de Psicologia

SBPH – Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar

SOBRAPA – Sociedade Brasileira de Psicologia e Acupuntura

IBNEC – Instituto Brasileiro de Neuropsicologia e Comportamento

ASBRo – Associação Brasileira Rorschach e Métodos Projetivos

Fonte: CFP. 

Os comentários não refletem a opinião do CRP-16 sobre o assunto e são de inteira responsabilidade de seu autor, que poderá responder à Justiça caso cometa injúria, calúnia, difamação ou agressão a outrem e a esta autarquia, conforme os Termos e Condições de Uso do site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *