Envelope laranja e branco Impressora laranja e branca Mapa do Site Tamanho da Fonte Ícone de + para aumentar a fonte Ícone de A para retornar à fonte padrão Ícone de + para diminuir a fonte Contraste Ícone habilitar contraste Ícone desabilitar contraste
Logo do Conselho Regional de Psicologia

Convite à categoria profissional refletir sobre o lugar da Psicologia no cenário político atual

Postado no dia 20 de outubro de 2022, às 14:06


A Psicologia, enquanto ciência e profissão, é regida por um Código de Ética Profissional. Tal Código deve ser seguido por toda a categoria de forma irrestrita. Nele são encontrados os Princípios Fundamentais que balizam a atuação profissional. Conforme consta no 3º Princípio Fundamental, “O psicólogo atuará com responsabilidade social, analisando crítica e historicamente a realidade política, econômica, social e cultural.” Sendo assim, é evidente que a Psicologia não está à parte da situação política a qual o Brasil vivencia, refletindo inclusive nas possibilidades do exercício profissional.

A Psicologia e, consequentemente, as psicólogas, deve se posicionar no cenário político a partir dos Princípios Fundamentais do Código de Ética Profissional, que indicam que “O psicólogo baseará o seu trabalho no respeito e na promoção da liberdade, da dignidade, da igualdade e da integridade do ser humano, apoiado nos valores que embasam a Declaração Universal dos Direitos Humanos” (Primeiro Princípio Fundamental), bem como “O psicólogo trabalhará visando promover a saúde e a qualidade de vida das pessoas e das coletividades e contribuirá para a eliminação de quaisquer formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão” (Segundo Princípio Fundamental).

É necessário enfatizar para a categoria profissional o nosso papel político. Quando se afirma que a Psicologia é política está se afirmando que a Psicologia deve defender o que está previsto no Código de Ética, ou seja, trabalhar na defesa dos Direitos Humanos e contra qualquer forma de discriminação, violência, crueldade e opressão. Esse é o nosso posicionamento político enquanto categoria profissional. O compromisso da Psicologia com a promoção de Direitos Humanos está nitidamente expresso nos Princípios Fundamentais do Código de Ética Profissional do Psicólogo e é nutrido diretamente pela Democracia. É no espírito de consolidar o Estado Democrático de Direito que milhares de psicólogas em todo o Brasil, por meio da atuação de seus Conselhos Regionais e do Conselho Federal de Psicologia, têm defendido as políticas públicas para consolidar direitos sociais, a saúde mental e a dignidade de todas as pessoas.

É urgente que a nossa categoria profissional esteja ciente do seu papel político e se posicione, de acordo com o Código de Ética Profissional e seus Princípios Fundamentais, contra qualquer manifestação de ataque à democracia, bem como contra manifestações de racismo, de xenofobia, de transfobia e demais discriminações de gênero e orientação sexual, que se configuram como práticas de violência e opressão, bem como crimes conforme leis vigentes no país.

Além disso, é imprescindível que nós, psicólogas e psicólogos, saibamos que, para a defesa dos Direitos Humanos e para a promoção da saúde e da qualidade de vida das pessoas e coletividades, são necessárias Políticas Públicas permanentes e consistentes de Saúde, Assistência Social e Educação. Assim, também cabe à nossa categoria profissional a defesa das Políticas Públicas e o posicionamento contrário a qualquer ataque que seja feito a elas, tais como as constantes reduções orçamentárias nas políticas do Sistema Único de Saúde (SUS), Sistema Único de Assistência Social (SUAS) e Educação Pública.

Não há possibilidade de se fazer Psicologia sem Políticas Públicas e respeito à diversidade humana. Defender isso é se posicionar politicamente enquanto psicóloga comprometida com o Código de Ética Profissional e seus Princípios Fundamentais.

Conselho Federal de Psicologia – CFP
Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul Conselho Regional de Psicologia do Amazonas / Roraima Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal Conselho Regional de Psicologia do Espírito Santo Conselho Regional de Psicologia do Maranhão
Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais Conselho Regional de Psicologia do Mato Grosso Conselho Regional de Psicologia do Mato Grosso do Sul Conselho Regional de Psicologia do Pará / Amapá Conselho Regional de Psicologia da Paraíba
Conselho Regional de Psicologia do Paraná Conselho Regional de Psicologia do Pernambuco Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro
Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Norte Conselho Regional de Psicologia de Santa Catarina Conselho Regional de Psicologia de São Paulo
Conselho Regional de Psicologia do Sergipe

Os comentários não refletem a opinião do CRP-16 sobre o assunto e são de inteira responsabilidade de seu autor, que poderá responder à Justiça caso cometa injúria, calúnia, difamação ou agressão a outrem e a esta autarquia, conforme os Termos e Condições de Uso do site.