Envelope laranja e branco Impressora laranja e branca Mapa do Site Tamanho da Fonte Ícone de + para aumentar a fonte Ícone de A para retornar à fonte padrão Ícone de + para diminuir a fonte Contraste Ícone habilitar contraste Ícone desabilitar contraste
Logo do Facebook Logo do Flickr Logo do Youtube
Logo do Conselho Regional de Psicologia

Psicóloga defende que rede de apoio precisa atender à família toda e não apenas à criança vítima de violência sexual

Postado no dia 18 de maio de 2017, às 10:42

A/o psicóloga/o tem a função, dentro do atendimento às vítimas, de realizar a escuta da criança e da família, assim como apoiar essas pessoas


Todos os dias 47 crianças são vítimas de abuso, exploração ou turismo sexual no Brasil. É de posse desse dado preocupante que o CRP-16 lembra nessa quinta-feira, 18 de maio, do Dia de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Os dados são do Disque 100 e entidades que atuam na prevenção e acolhimento das vítimas e de suas famílias afirmam que o número é subestimado, pois muitas violações não são contabilizadas.

De acordo com a psicóloga, professora da Ufes e colaboradora do CRP-16, Edinete Maria Rosa, o Espírito Santo vem reduzindo o número de notificações desses casos. Ela explica que isso ocorre por razões como a redução das denúncias ao Disque 100, pois as vítimas são encaminhadas para os aparelhos de apoio social como conselho tutelar, CRAS e CREAS, uma vez que a rede foi ampliada. Além disso, serviços de saúde, que historicamente são os que mais acolhem, e as escolas também fazem esse acolhimento que não entra nessa contagem nacional.

“Não temos no Brasil um sistema seguro para saber esses números”, disse. Isso tende a mascarar o problema. Além disso, nem sempre a família vai ao atendimento com o adolescente ou a criança, pois há uma tentativa de ocultar o fato por conta do sofrimento e vergonha.

post_maio

São várias consequências para as vítimas desse tipo de violência. Edinete lembra que a criança pode apresentar aversão ao próprio corpo e pode, inclusive, não querer mais tomar banho para tornar o próprio corpo menos atrativo para o agressor e afastá-lo. Além disso, muitas acham que o problema é responsabilidade dela e podem entrar em depressão e até mesmo tentar o suicídio. Outro sinal que uma criança que está sofrendo violência sexual pode dar é o interesse por brincadeiras de cunho sexual. Outro comportamento comum é ficar muito desligada, pois está vivenciando uma situação da qual não consegue sair sozinha.

“Não é preciso que haja penetração para ser violência. Basta o aliciamento. Mas quando chega a uma violência a criança ou o adolescente se vê envolvida/o na relação e o agressor tende a colocá-la/lo como cúmplice e ela/ele acaba achando que está envolvida desenvolvendo uma certa culpa”, explicou. A professora acrescentou que, muitas vezes, esse envolvimento inclui também a família com a presença vantajosa do agressor que pode ajudar de alguma forma como com presentes e contribuições financeiras. Essa situação promove a quebra de confiança no adulto, já que as pessoas próximas podem ser as agressoras ou podem ter uma relação com os agressores deixando a criança desprotegida.

Denúncia
“A denúncia é delicada e precisa ser feita adequadamente. Se for assim será fator de proteção. Mas se ela for feita a uma pessoa que não acredita na criança ou a um profissional ou órgão que desqualifique o relato, a vítima será revitimizada, sendo obrigada a recordar várias vezes aquela violência até que o apoio seja acessado. Envolvê-la em uma busca por uma veracidade é prejudicial. Primeiro é preciso procurar o Conselho Tutelar, mas se o relato for muito claro e houver evidências fortes de violência no corpo da criança, essa etapa pode ser transposta e a denúncia pode feita diretamente nas delegacias especializadas”, disse.

A/O psicóloga/o tem a função, dentro do atendimento às vítimas, de realizar a escuta da criança e da família, assim como apoiar essas pessoas. Para que a criança vença mais rápido o problema é preciso um apoio positivo das pessoas que vivem na casa. “O sofrimento de uma mãe que descobre que seu parceiro violentou a filha, por exemplo, é muito grande e mexe com toda a organização familiar que pode descobrir a partir dali que outras crianças também foram vítimas. A rede de apoio precisa atender à família toda e não apenas a vítima”.

É importante lembrar que todo profissional é obrigado a comunicar suspeitas de violência ao Conselho Tutelar ou à delegacia (nos casos mais evidentes). A atenção a esse problema é essencial já que essas violências deixam marcas que podem ficar para vida toda. “A criança é um sujeito de direito, com plena cidadania e com direito à proteção, pois é vulnerável e não consegue se proteger sozinha”, concluiu Edinete.

CompartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someonePrint this page

Os comentários não refletem a opinião do CRP-16 sobre o assunto e são de inteira responsabilidade de seu autor, que poderá responder à Justiça caso cometa injúria, calúnia, difamação ou agressão a outrem e a esta autarquia, conforme os Termos e Condições de Uso do site.