Envelope laranja e branco Impressora laranja e branca Mapa do Site Tamanho da Fonte Ícone de + para aumentar a fonte Ícone de A para retornar à fonte padrão Ícone de + para diminuir a fonte Contraste Ícone habilitar contraste Ícone desabilitar contraste
Logo do Facebook Logo do Flickr Logo do Instagram
Logo do Conselho Regional de Psicologia

NOTA DE REPÚDIO

Postado no dia 17 de abril de 2014, às 21:02

IV Plenário do CRP-16 repudia postagem sobre combate ao crack no blog do jornalista Reinaldo Azevedo, no site da Revista Veja. Confira!

10271504_659581177412233_3613484424290371864_n

O Conselho Regional de Psicologia do Espírito Santo vem a público repudiar o conteúdo da postagem “Vem confusão no combate ao crack”, divulgada pelo jornalista Reinaldo Azevedo em seu blog, na edição online da revista Veja, em janeiro deste ano.

Em seu texto, o jornalista desconsidera a história de lutas empreendidas pelo Movimento da Reforma Psiquiátrica e Luta Antimanicomial, em prol da garantia de práticas pautadas na humanização da atenção em saúde, ao ver como problema, por exemplo, a atual realidade brasileira de massiva redução de leitos psiquiátricos para dar lugar à ampliação e fomento da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), que se configura como instrumento do Estado para cumprir seu papel de defensor da saúde pública, de atenção integral e de cobertura universal.

No Brasil, o Movimento da Luta Antimanicomial, protagonizada primeiramente pelos trabalhadores da saúde mental e seguida pelo Movimento dos Familiares e Usuários, aconteceu principalmente no sentido de denunciar o tratamento desumano das instituições de caráter asilar e manicomial, iniciado na década de 70, sob influência da Reforma Psiquiátrica Italiana.

Esse período foi marcado pela emergência de diversos movimentos sociais que lutavam pela redemocratização do país e acesso aos serviços públicos.

Nessa perspectiva, o Movimento da Reforma Psiquiátrica e Luta Antimanicomial ocupou as ruas e trouxe para o cenário nacional um outro olhar para a loucura, para além da doença, da marginalidade, da violência e da reclusão. Problematiza e se posiciona, inclusive, contrário à concepção de normalidade e anormalidade no que se refere respectivamente à saúde e à doença.

Deste modo, concordamos com as bandeiras de luta do Movimento da Reforma Psiquiátrica e Luta Antimanicomial, dentre as quais a defesa por uma atenção à saúde mental pautada no cuidado, liberdade, respeito, autonomia. A partir da Luta Antimanicomial tornou-se possível a implementação da RAPS, uma vez que seus princípios fundamentais referem-se ao respeito, à autonomia, à dignidade, à inserção política nos meios familiares e sociais, o que parece ser desconsiderado pelo jornalista Reinaldo Azevedo.

É preciso lembrar também que as comunidades terapêuticas, do modo como estão organizadas, têm resgatado e reforçado a ideia de que a atenção em saúde mental deve ser realizada de acordo com o modelo hospitalocêntrico, asilar e de isolamento, o qual sabemos foi promotor de absurdas violações de direitos humanos ao longo da história.

Além disso, é preciso priorizar a oferta de serviços de saúde pública, o SUS, e, em especial, a atenção em saúde mental por meio do fortalecimento dos espaços e dos modos de trabalho já existentes, que valorizam a humanização, além de criar e fomentar novos modos de intervenção, por meio do fortalecimento e ampliação da RAPS.

Vitória/ES, 17 de abril de 2014.

IV PLENÁRIO DO CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 16ª REGIÃO – ES (CRP16/ES)

Os comentários não refletem a opinião do CRP-16 sobre o assunto e são de inteira responsabilidade de seu autor, que poderá responder à Justiça caso cometa injúria, calúnia, difamação ou agressão a outrem e a esta autarquia, conforme os Termos e Condições de Uso do site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *