Envelope laranja e branco Impressora laranja e branca Mapa do Site Tamanho da Fonte Ícone de + para aumentar a fonte Ícone de A para retornar à fonte padrão Ícone de + para diminuir a fonte Contraste Ícone habilitar contraste Ícone desabilitar contraste
Logo do Facebook Logo do Flickr Logo do Instagram
Logo do Conselho Regional de Psicologia

Alerta para atuação de psicólogas(os) em situações de emergências e/ou desastres

Postado no dia 4 de fevereiro de 2020, às 21:11

O Conselho Regional de Psicologia da 16ª Região/ES (CRP-16), no exercício de suas atribuições legais, vem, em decorrência da situação de emergência e desastre causada pelas recentes chuvas que atingiram cidades do interior do Espirito Santo, orientar a categoria sobre a prestação de serviços psicológicos em caráter voluntário.

De antemão, é oportuno orientar que a(o) profissional psicóloga(o) em exercício, ainda que em caráter de voluntariado, deve estar devidamente registrado no Conselho Regional de Psicologia. A atuação profissional sem o devido registro configura-se exercício ilegal da profissão.

É importante também diferenciar o trabalho voluntário em casos de emergências e/ou desastres daquele desenvolvido em situações habituais. No primeiro caso, tem-se uma situação extrema, não habitual, na qual há necessidade premente de atendimentos e o trabalho voluntário se impõe pela responsabilidade social.

Diferente disso é a utilização do trabalho voluntário em espaços em que se faz necessária uma atuação de forma contínua. Nesse sentido, o trabalho voluntário está regulamentado pela Lei nº 9.608/98. Segundo o artigo 1º da referida lei, “caracteriza-se como serviço voluntário a atividade não remunerada, prestada por uma pessoa física (voluntário), a entidades públicas de qualquer natureza, ou a instituições privadas de fins não lucrativos, que tenham objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social”.

Considerando os aspectos destacados acima, orienta-se ao psicólogo que deseja desempenhar sua função profissional como voluntário, em situações de emergências e/ou desastres, que o mesmo deverá cumprir com os requisitos formais e legais do seu exercício profissional, uma vez que o chamamento para este trabalho se dá em razão de seus conhecimentos técnicos.

A atividade de voluntário em situações de emergência e/ou desastre constitui-se em uma forma de assistência profissional, na qual o psicólogo emprestará seu conhecimento, utilizando técnicas e métodos reconhecidos pela profissão e não em procedimentos baseados no senso comum.

A ação voluntária da(o) profissional psicóloga(o) em situações de emergências e/ou desastres não pode ser desenvolvida apenas com base no “querer ajudar”, mas sim, nos procedimentos técnicos possíveis de serem executados naquela situação. Portanto, a prestação de serviços voluntários nestas situações excepcionais não deve ser realizada de forma isolada e desarticulada. Orienta-se que a(o) psicóloga(o) busque grupos organizados e órgãos preparados para subsidiar as ações emergenciais.

Ao prestar serviços voluntários, o psicólogo não se exime das responsabilidades previstas em seu Código de Ética, entre elas, de assegurar a qualidade na prestação dos serviços. As questões relacionadas ao sigilo, confidencialidade e respeito ao atendido devem ser resguardados, como em qualquer atividade profissional, levando em consideração as condições e o momento em que ocorrerão os atendimentos.

Entre os deveres fundamentais do psicólogo, normatizados no Código de Ética Profissional, destaca-se a exigência de que a(o) profissional, diante da demanda posta, analise se possui qualificação pessoal, teórica e técnica para o atendimento àquela população, assim como para a realização dos encaminhamentos adequados às necessidades dos atendidos.

Por fim, salienta-se que a Comissão de Orientação e Fiscalização do CRP-16 está à disposição para dirimir dúvidas e prestar orientações relacionadas à atuação profissional do(a) psicólogo(a), através do e-mail coordenacao.cotec@crp16.org.br e telefone (27) 3324-2806 (ramal 5) ou presencialmente na sede deste Conselho.


Conselho Regional de Psicologia da 16ª Região/ES

Vitória, 31 de janeiro de 2020

 

 

Os comentários não refletem a opinião do CRP-16 sobre o assunto e são de inteira responsabilidade de seu autor, que poderá responder à Justiça caso cometa injúria, calúnia, difamação ou agressão a outrem e a esta autarquia, conforme os Termos e Condições de Uso do site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *